Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Longitudinal

Longitudinal

As vidas de formigas

"É a lei da vida, e não estão assim tão mal, os filhos nunca conseguem compreender as ambições dos pais, olham para trás e vêem-nos ali, imóveis e eternos, no lugar que é o deles, nem mais, nem menos, sem suspeitarem que trinta anos antes os pais chegaram ao buraco, com a esperança de que fosse apenas uma passagem, um interlúdio de sacrifício numa narrativa épica de ascenção, e tinham demorado uma vida inteira para perceber que aquela era a última estação e os filhos nunca perceberam que tinham subido fincando os pés nos lombos sofridos dos pais. E estes, com o orgulho de disponibilizarem os lombos doridos aos filhos, exibindo-os nos cafés, com as mulheres e os maridos que não eram do bairro, os netos saudáveis e letrados, a crescer em amplos infantários e casas com aquecimento central, a ignorar os avós e a pobreza toda de um bairro que haveria de ser sempre um bairro, onde as pessoas se conheciam e cumprimentavam como se fossem da família, "cumprimenta ali aquela senhora que é amiga da avó". Os filhos, saudáveis, letrados e bons dentes; os pais uma vida inteira encavernados mas que agora podiam exibir os filhos, saudáveis e letrados, prova de que tinham chegado à superfície, tinham estudado com os filhos dos doutores e agora tinham bons carros, bons dentes e tinham-lhes dado bons netos, que orgulho, a vida de formiga para chegar a ver aqueles netos."

 

(As Pequenas Coisas, Bruno Vieira Amaral)

Talvez

"E isto, dizia-me Virgílio, esta vontade de dançar sem dançar, de ir vivendo sem viver, de passar pelo mundo sem deixar rasto, só um fio de memória puxado por quem não tiver mais que fazer, isto talvez seja uma filosofia prática tão boa como as melhores. No gesto leve e difícil de passear por entre as mesas do café com uma bandeja cheia de copos e chávenas equilibradas na palma da mão talvez Ernesto tivesse alcançado mais sabedoria o que a que nos foi reservada, talvez tivesse estado mais perto da perfeição do que nós alguma vez estaremos. (...) O bailado de Ernesto, o seu lábio descaído, as suas rotinas, o chocalhar dos trocos na bolsa, a casa onde não tinha ninguém à espera, a sua tristeza imponderável, os pensamentos íntimos, a sua felicidade secreta, a morte rápida sem demasiado sofrimento, a perfeição."

 

(As Pequenas Coisas, Bruno Vieira Amaral)